Complicações de Microcirurgia …

Complicações de Microcirurgia …

Complicações de Microcirurgia ...

Complicações de Microcirurgia de Schwannoma Vestibular

1 Departamento de Otorrinolaringologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço, 1º Faculdade de Medicina, Faculdade Hospital Motol, Universidade Charles, em Praga, V Uvalu 84, Praga 5, 150 06 Praga, República Checa
2 Departamento de Auditivo Neurociências, Instituto de Medicina Experimental, Academia de Ciências da República Checa, Videnska 1083, Praga 4, 142 20 Praga, República Checa
3 Departamento de Neurologia Pediátrica, Segundo Faculdade de Medicina, Faculdade Hospital Motol, Universidade Charles, em Praga, V Uvalu 84, Praga 5, 150 06 Praga, República Checa
4 Departamento de Métodos de Imagem, Segundo Faculdade de Medicina, Faculdade Hospital Motol, Universidade Charles, V Uvalu 84, Praga 5 150 06, Praga, República Checa

Editor de fazer Acadêmica: Jan Plzak

Abstrato

1. Introdução

A remoção de dos schwannomas vestibulares PODE SER realizada utilizando varias Abordagens: a translabiríntico [6], o retrosigmóide [7], OU uma Abordagem da fossa meios de comunicação [8]. Pré-Requisitos para o Acesso translabiríntico incluem principalmente o pré-operatório falta de Audição de Funcionamento e uma Presença de Tumores MAIORES [9. 10]. A retrosigmóide Abordagem (suboccipital) permite a remoção de Tumores, de QUALQUÉR * Tamanho, com o potencial de Preservação da Audição; SUA principais desvantagem E a necessidade de retração cerebelar [11. 12]. Por Ultimo, um canal Abordagem fossa meio E escolhido parágrafo Tumores limitados Ao auditivo interno OU COM Extensão CPA Mínimo com Uma Tentativa de Preservar A Audição. Desvantagens Desta Abordagem São o Acesso limitado a EA CPA necessidade de retração do lobo temporal, [8].

COM NAS bases Tendências Recentes Nosso Objetivo foi analisar como Complicações encontradas em Uma série de 333 Pacientes consecutivos submetidos a microcirúrgico Durante treatment O Último Período de 15 anos. NÓS TAMBÉM Uma Revisão da literatura Internacional sobre como Complicações da microcirurgia schwannoma vestibular é Sua Prevenção e Tratamento.

2. Material e Métodos

UM ESTUDO retrospectivo was Realizado EM 333 PACIENTES, COM idades variando de 12 a 74 ano (

OS DADOS recolhidos em Cada Paciente incluíram a Idade do Paciente, sexo, * Tamanho do tumor, Achados intra-operatórios (Preservação e radicalidade da ressecção do Pôr tumor Exemplo nervo facial Estrutural e funcional), e como Complicações pós-operatórias (RLR, meningite, Complicações vasculares, dor de Cabeça, nervo craniano Disfunção, e Compensação vestibular Alterado).

Função do nervo facial foi avaliada de according com o Sistema de Classificação de House-Brackmann (HB) imediatamente apos a Cirurgia e, na Época Do Último Acompanhamento. Função Classificados AINDA FOI em Tres CATEGORIAS: excelente (HB I-II), Intermediário (HB III-IV), e Pobres (HB V-VI). Monitorização do nervo facial foi Utilizado Para identificar o nervo facial e Confirmar A SUA Função intra-operatório, em todos OS Casos.

Complicações pós-operatórias were avaliadas Durante um Imediata Recuperação pós-operatória (Dentro de Uma semana) e não momento fazer Último Acompanhamento (a Longo Prazo OU Complicações persistentes). O Período de seguimento variou de 12 a 178 meses. Os síntomas de vertigem, nistagmo espontâneo, e Desvio fazer Visual subjetiva vertical, that were persistentes APOS SEIS meses seguintes a Operação, were Classificados Como Compensação desordenada de patologia vestibular.

3. Resultados

Em Nossa série série hum Tumores estavam PRESENTES em 12 patients (3,6), Grau Dois em 34 patients (10,2), grau Três em 62 patients (18,6), Série E de Quatro em 225 patients (67,6 ). Nove Em (3) Tumores patients causado hidrocefalia e hipertensão intracraniana. O Nós gostaríamos de salientar here um atipicamente Elevada proporção dos Quatro Tumores de grau.

Tabela 1: Complicações da microcirurgia schwannoma vestibular.

Mesa 2: Função do nervo facial avaliada imediatamente apos a Cirurgia e não Acompanhamento Ultimo.

Compensação vestibular desordenado foi observada EM 43 patients (13).

Figura 1: variante laterais fazer CSF vazamento / pseudomeningocele (T2W MRI). Arrowhead: pseudomeningocele, seta demonstra CSF preenchido Sistema pneumático do Osso temporal.

Figura 2: variante medial do vazamento de CSF. (A) T2W MRI, apontando seta uma fístula; seta demonstra CSF preenchido Sistema pneumático do Osso temporal. (B) a Revisão da ferida com uma identificação de fístula na borda posterior da meatotomia; asterisco Mostra o IAC Fechado. (C) Visão endoscópica da fístula.

Figura 3: tomografia Computadorizada do Paciente COM intracerebelares hematoma.

Figura 4: tomografia Computadorizada do Paciente com hematoma fazer Angulo pontocerebelar.

Figura 5: MRI do Paciente com isquemia supratentorial Como consequencia da microembolisation (Paradoxo embolização Excluídos).

Figura 6: MRI do Paciente com infarto venoso peduncular (asterisco) devido a lesão veia Petroso superior.

A taxa de Mortalidade em Nosso Estudo foi de Approximatif 3. A causa de morte em Dois patients foi hemorragia intracerebelares e embolia pulmonar em hum Caso.

Tambem encontramos hum Caso de mielopatia relacionada com hérnia de disco cervical Como consequencia da Inesperada excitação intra-operatória do Paciente da anestesia Geral. OUTRAS Complicações Não-Surgical Raros, Por Exemplo, deslocamento de cateter venoso central, flebite, lesão Transitoria fazer ulnar (Dois Casos), e fazê-fibular nervo (um Caso), observados also were.

Audição pós-operatória de Perda / surdez NÃO foi Considerada Uma complicação; Por conseguinte, Não E assessed Nesta série.

4. Discussão

No Caso do treatment microcirúrgico, a remoção do tumor total de bruto com a Preservação das funcoes neurológicas E o Mais novo benchmark. Apesar Disso Alguns Trabalhos APOIAR Perto de remoção e subtotal Total em Tumores Grandes Como opções de Tratamento de adequadamente viáveis ​​Pará Manter A Boa Nervo facial pós-operatória e funcoes, MESMO Auditivos [14. 25].

Como Complicações Mais Comuns de Tratamento microcirúrgico São RLR e meningite, Paralisia facial, dor de Cabeça, Distúrbios vestibulares, e lesões cerebelares do Tronco cerebral e Complicações vasculares. Estas Complicações pós-operatória PODE Ser dividida em Dois grupos: neurológicas e nonneurological.

4.1. Complicações Nonneurological
4.1.1. CSF Leak e meningite

vazamento de CSF PODEM Ser Classificados Como de medial hum (via Células petrosas AR UO eventual labirinto) OU variante lateral (ferida vazamento / pseudomeningocele). O Mais Difícil de Gerir São como Variantes medial Que normalmente requerem Cirurgia de Revisão e fechamento de vazamento.

4.1.2. Vazamento de CSF Medial

MUITOS Relatórios TEM discutido Diferentes Fatores Que levam a vazamentos CSF pós-operatórias. Ambos Slattery et ai. [20] e Brennan et al. [31] encontraram Uma Relação significativa Entre o * Tamanho fazer ea tumor Prevalência de vazamento de CSF; de according com a Brennan et ai. Tumores MAIORES parecia Levar um hum Maior Risco de Perda de LCR; No entanto, Slattery et ai. [20] mostraram Uma Correlação Entre a Abordagem Cirúrgica e taxa de fuga CSF, com Uma Abordagem retrosigmóide ter uma Frequência Maior (15) e fossa Média Aproximar o menor (5,7). Ldemann et ai. [32] observaram that APENAS como Grandes Tumores com luxação sepultura do tronco cerebral, causando hidrocefalia, mostrou Uma Maior Incidência de CSF; Caso contrario, o they mostraram Correlação inversa (Tumores Menores tinham hum Maior Risco de vazamento de CSF). Sanna et al. [15] NÃO demonstrou QUALQUÉR Relacionamento e RLR medial não Caso da Abordagem translabiríntico. COM Nestes base de Resultados, PODE concluir-se that o * Tamanho do tumor e do tipo de Abordagem Cirúrgica São OS principais Factores Que afectam a fuga de CSF não há pós-operatório.

Merkus et ai. [33] in Seu Estudo a Longo Prazo de 1803 Casos operados via translabiríntico relatou APENAS 0,8 de vazamentos CSF pós-operatórias e salientou vedação meticuloso de Células de ar rochedo. O MESMO E Verdadeiro Para uma Abordagem retrosigmóide-transmeatal em that como vias Mais Comuns de Formação de vazamento São Células de ar perimeatal de rochedo; portanto, A SUA vedação E parágrafo fundamental a Prevenção de vazamento de CSF. A adição de endoscopia e Cirurgia schwannoma vestibular Assistida POR endoscopia Parece Ser Benefica Para melhorar a identificação de potenciais vias de vazamento de CSF [34]. Material O Utilizado parágrafo Células de ar rochedo vedação TAMBÉM PODE Ser considerado hum Fator significativo. O Trabalho de Ldemann et al. [32] suporta hum implante de Gordura Como superiores a Implantação do músculo Para uma Prevenção de fuga de CSF. Seu Estudo em 420 patients submetidos Um remoção do Pôr tumor via retrosigmóide-transmeatal Relata a incidencia de vazamentos CSF pós-operatórias EM 2,2 com o Uso de implante de Gordura em Comparação com 5,7 se enxertos musculares were utilizados Para a selagem das Células de ar petrous. Além Disso, as Mulheres tinham vazamento pós-operatório Menos CSF (3,4) fazer Homens Que OS (5,6).

NOSSOS Resultados mostram that, com vedação meticuloso de Células de ar Aberto na Sequência de abertura do IAC, variante medial do vazamento de CSF PODE Ser reduzida a hum Mínimo, MESMO em Casos com altas proporções de Grandes Tumores. TEMOS APENAS observado Dois Casos e Ambos were cirurgicamente. Suspeita PODE Ser baseada em Achados intra-operatórios (Por Exemplo significativa pneumatisation perimeatal) e uma ausencia de pseudomeningocele. A PODE Ser Ressonância Magnética util na confirmação e localizar o Caminho patológica. Apesar de a maioria dos Especialistas recomendam o posicionamento horizontal do Paciente com um Cabeça Elevada e drenagem lombar parágrafo Casos de vazamento persiste POR Mais de 24 horas, somos defensores da vedação de vazamento logotipo na Primeira Revisão Cirúrgica deixando parágrafo Casos de vazamentos persistentes Mais de Três dias.

4.1.3. Vazamento de CSF Lateral

A Nossa Recomendação Para a Prevenção de fugas de feridas E a utilização da Técnica de fechamento estanque de Multiplas Camadas de Tecido, com hum fio de sutura preferida Primária de dura-máter EO USO de músculo, Gordura, cola de Tecidos, ea pressao vestir Durante Vários dias. Sob Tais condições, Não observamos QUALQUÉR cicatrização prolongada OU Infecção da ferida pós-operatória; Não entanto, O Nosso índice de fuga ferida CSF Frequência E relativamente Alta.

4.1.4. meningite

Apesar do alto índice da variante da RLR lateral, em Nossa série that were activamente gerido sem drenagem lombar, NÓS NÃO encontramos nenhuma Infecção da Ferida NEM meningite. ASSIM, Podemos Então especular se OU NÃO o Emprego perioperatório de drenagem lombar representação hum Risco de meningite.

4.1.5. dor de cabeça

NOSSOS Resultados se encaixam com OS Dados publicados, com Prevalência de dor de cabeça-pós-operatório Sendo 9. A grande maioria Desses Casos were Dores de Cabeça do tipo tensional gerido de forma Conservadora.

4.1.6. Complicações vasculares intracraniana

Como Complicações vasculares da Cirurgia VS PODE Ter consequencias devastadoras. Essas Complicações ocorrem Como Uma hemorragia intracraniana (hematomas intraparenquimatosa e hematomas subdural OU peridural) isquemia ou. Tais Complicações PODEM causar a morte se NÃO para imediatamente tratada. Samii e Matthies [18] relatou SEUS Casos hemorragia pós-operatória aguda e subaguda Como 2,2 e 1,5, respectively. Sade et ai. [49], concluiu that um Incidência de Complicações vasculares na Cirurgia VS foi parágrafo semelhante como Abordagens retrosigmóide translabirínticas e (2.7). Uma Abordagem fossa Média TEM um Maior Ocorrência de epidurais hematomas.

Complicações isquêmicas PODEM sor de arterial OU Origem venosa e PODE afetar o tronco cerebral UO o hemisfério cerebelar. A adesão do tumor com o tronco cerebral e cerebelo, E a causa de microtraumatism dos Pequenos vasos that Naturalmente na interface de não tumor do Cérebro. Consequentemente, meticuloso cuidado Para Preservar o plano aracnóide Durante a remoção do tumor E fundamental Para a Preservação dos vasos subpiais. Coagulação de Pequeños perfuradores arteriais DEVE Ser evitado para Prevenir tronco infarto cerebral. ferimento graves DOS vasos do cerebelo E Raro Porque Estes Navios São geralmente Bem identificado e com Segurança dissecado do tumor. Cuidados also devem Ser Tomadas Para Preservar Grandes Veias (Por Exemplo Maior veia Petroso) como o Seu Encerramento PODE ter consequencias sepulturas [50]. Da MESMA forma trombose fazer seio transverso e sigmóide TAMBÉM PODE Levar um Complicações sepulturas [19].

4.2. Complicações neurológicas
4.2.1. Lesão do nervo facial
4.2.2. Traumatismo de Outros Nervos cranianos

Os Nervos cranianos Mais Baixos PODE Ser Ferido Durante a remoção de Grandes schwannomas vestibulares, that deverão colidir COM CONTEÚDOS fazer forame jugular e CN IX, X e XI. déficits de Nervos cranianos Inferiores agudas PODE resultar em disfagia e Aspiração. Em Alguns Casos, E Necessário proporcionar Uma Nutrição POR Meio de hum tubo de Alimentação nasogástrico UO para Prevenir o Risco da Aspiração. Reeducação e Reabilitação da deglutição Técnicas e Manobras São cruciais para á Gestão. Nos Casos com Problemas sepulturas e Risco de pneumonia POR Aspiração, traqueostomia e gastrostomia endoscópica percutánea PODE Ser Uma Opção. Em Nosso Estudo encontramos lesão do nervo cranial menor APENAS Transitoria.

4.2.3. Desordenada Vestibular Compensação

5. Conclusões

Apesar do atipicamente Elevada proporção de Tumores Grandes Desta série, NOSSOS índices de Complicações de microcirurgia vs São comparáveis ​​com a literatura, com Exceção do vazamento lateral do CSF. No Geral, Durante quanto Últimas Décadas, a taxa de Complicações de microcirurgia VS diminuiu drasticamente. No entanto, um Sobre Informação como Possíveis Complicações devem Ser claramente dada Ao Paciente when a Relação Benefício / Risco DEVE Ser avaliada no momento da decisão de treatment. PODE concluir-se Que a maioria das Complicações São uma consequencia de Manobras cirúrgicas inadequadas, com Complicações vasculares Que transportam uma taxa Mais significativa de morbilidade sepultura e Mortalidade potencial. Seleção adequada dos Casos, Técnica Cirúrgica meticulosa e Cuidados pós-operatórios cuidado São cruciais parágrafo Recolher a taxa de Todas como Complicações de microcirurgia schwannoma vestibular.

Conflito de Interesses

Nenhum dos Autores TEM UM Conflito de Interesses com a Apresentação Deste Documento.

AGRADECIMENTOS

Referências

  1. M. J. Lanser, S. A. Sussman, e K. Frazer, “Epidemiologia, patogénese, e genética de Tumores acústicos” Clínicas otorrinolaringológicas da América do Norte. vol. 25, n. 3, pp. 499-520, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  2. E. Myrseth, P.-H. Pedersen, P. Mller, e M. Lund-Johansen, “Tratamento de schwannomas vestibulares. That Por, Quando e Como?” Acta Neurochirurgica. vol. 149, n. 7, pp. 647-660, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  3. E. Zverina, “Acoutic Experiência schwannomapersonal neuromavestibular da Gestão de up-to-date” Časopis Lekaru Ceskych. vol. 149, n. 6, pp. 269-276, 2010. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  4. T. Somers e T. Van Havenbergh, “gestão multidisciplinar de schwannomas vestibulares: estado da arte”, B-ENT. vol. 8, NAO. 4, pp. 235-240, 2012. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  5. D. Kondziolka, S. H. Mousavi, H. Kano, J. C. Flickinger, e L. D. Lunsford, “O schwannoma vestibular recém-diagnosticados: radiocirurgia, ressecção OU Observação?” Foco neurocirúrgica. vol. 33, no. 3, p. E8, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  6. M. A. Arriaga e J. Lin, “translabiríntico: Indicações, Técnicas e resultados” Clínicas otorrinolaringológicas da América do Norte. vol. 45, no. 2, pp. 399-415, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  7. M. S. Elhammady, F. F. Telischi, e J. J. Morcos, “retrosigmóide Abordagem: Indicações, Técnicas e resultados” Clínicas otorrinolaringológicas da América do Norte. vol. 45, no. 2, pp. 375-397, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  8. S. Angeli, “Abordagem fossa Oriente: Indicações, Técnica e resultados” Clínicas otorrinolaringológicas da América do Norte. vol. 45, no. 2, pp. 417-438, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  9. D. E. Brackmann um e J. D. Green Jr. “translabiríntico parágrafo a remoção do tumor acústico (Reproduzido de otorrinolaringológicas Clínicas de NA vol 25, pg 311,330, 1992),” Clínicas otorrinolaringológicas da América do Norte. vol. 19, n. 2, p. 251, 2008. Ver em Google Scholar
  10. J. D. Dia, D. A. Chen, M. Arriaga et al. “Translabiríntico PARA O neuroma acústico,” Neurocirurgia. vol. 54, n. 2, pp. 391-396, 2004. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  11. MR de Freitas, A. Russo, G. Sequino, E. Piccirillo, e M. Sanna, “Análise da Preservação e Função do nervo facial de patients submetidos à Cirurgia schwannoma Ouvir vestibular: uma Abordagem fossa craniana Média versus uma Experiência de Abordagem Pessoal retrosigmóide e Revisão da literatura, ” Audiologia e Otoneurologia. vol. 17, n. 2, pp. 71-81, 2012. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  12. J. W. Kutz Jr. T. Scoresby, B. Isaacson et al. “A Preservação da Audição usando uma Abordagem fossa Média Para o Tratamento de schwannoma vestibular,” Neurocirurgia. vol. 70, n. 2, pp. 334-341, 2012. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  13. B. Isaacson, S. A. Telian e H. K. El-Kashlan, “Os Resultados do nervo em fossa craniana Média facial vs Abordagens translabirínticas” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 133, n. 6, pp. 906-910, 2005. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  14. Y. Nonaka, T. K. Fukushima, Watanabe et al. “Tratamento Cirúrgico Contemporânea de schwannoma vestibular: Análise das Complicações e Lições aprendidas Ao Longo da jornal Última Década” Neurocirurgia. vol. 72, no. 6, pp. 103-115, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  15. M. Sanna, A. Taibah, A. Russo, M. Falcioni, e M. Agarwal, “Como acústico Complicações perioperatórias em neuroma (schwannoma vestibular) cirurgia” Otologia e Otoneurologia. vol. 25, n. 3, pp. 379-386, 2004. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  16. V. Darrouzet, J. Martel, Ene V., J. Bbar, e J. Gurin, “Vestibulares OS Resultados da Cirurgia schwannoma: a Experiência Nossa multidisciplinares em 400 Casos Ao Longo de 17 Anos” Laringoscópio. vol. 114, n. 4, pp. 681-688, 2004. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  17. A. Dubey, W. Sung, M. Shaya et al. “Como Complicações da Cirurgia de Uma fossa Experiência institucional posterior de 500 patients” Neurologia Cirúrgica. vol. 72, no. 4, pp. 369-375, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  18. M. Samii E C. Matthies, “Gestão de 1000 schwannomas vestibulares (Acústicos neuromas): Tratamento Cirúrgico e Resultados, com ênfase em Complicações e Como Evita-los”, Neurocirurgia. vol. 40, n °. 1, pp. 11-21, 1997. Ver em Google Scholar
  19. P.-H. Roche, T. Ribeiro, H.-D. Fournier, e J.-M. Thomassin, “schwannomas vestibulares: Complicações da microcirurgia,” Progresso em Cirurgia Neurológica. vol. 21, pp. 214-221, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  20. W. H. Slattery III, S. Francisco, e K. C. House, “morbidade perioperatória de Cirurgia neuroma acústico,” Otologia e Otoneurologia. vol. 22, no. 6, pp. 895-902, 2001. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  21. V. Darrouzet, J. Dutkiewicz, A. Chambrin, D. Stoll, e JP Bebear “, anastomose Hypoglosso-facial: (Técnica de Maio modificado Resultados e Desenvolvimento Técnico não SENTIDO de anastomose FIM-a-Lado com o redirecionamento do nervo facial intra-temporal), ” Revue de laryngologie Otologie Rhinologie. vol. 118, n. 3, pp. 203-210, 1997. Ver em Google Scholar
  22. P. Sampath, M. J. Holliday, H. Brem, J. K. Niparko, e D. M. Longo, “lesão do nervo facial em acústico neuroma (schwannoma vestibular) Cirurgia. Etiologia e Prevenção” Journal of Neurosurgery. vol. 87, n. 1, pp. 60-66, 1997. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  23. R. G. Ojemann, “Gestão de neuromas acústicos (schwannoma vestibular) (Apresentação Convidado de Honra),” Neurocirurgia Clínica. vol. 40, pp. 498-535, 1993. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  24. D. M. Kaylie, E. Gilbert, M. A. Horgan, J. B. Delashaw e S. O. McMenomey, “Acústico OS Resultados da Cirurgia neuroma,” Otologia e Otoneurologia. vol. 22, no. 5, pp. 686-689, 2001. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  25. M. S. Schwartz, E. Kari, B. M. Strickland et ai. “Avaliação do aumento do Uso de ressecção parcial de Grandes schwanommas vestibulares: Resultados do e facial nervo como taxas de recorrência / rebrota,” Otologia Otoneurologia: Publicação Oficial da americana Otological Society, American Society Otoneurologia Academia européia de Otologia e Otoneurologia. vol. 34, no. 8, pp. 1456-1464, 2013. Ver em Google Scholar
  26. A. J. Fishman, R. A. Hoffman, J. T. Roland, R. A. Lebowitz, e N. L. Cohen, “A drenagem do licor na Gestão de vazamento de CSF Apos uma Cirurgia de neuroma acústico,” Laringoscópio. vol. 106, n. 8, pp. 1002-1004, 1996. Ver em Google Scholar
  27. A. J. Fishman, M. S. Marrinan, J. G. Golfinos, N. L. Cohen um e J. T. Roland Jr. “Prevenção e Gestão de vazamento de fluido cerebrospinal Apos um vestibular Cirurgia schwannoma” Laringoscópio. vol. 114, n. 3, pp. 501-505, 2004. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  28. M. E. Glasscock III, J. F. Kveton E C. G. Jackson, “Uma Abordagem Sistemática Para o Tratamento Cirúrgico do neuroma acústico,” Laringoscópio. vol. 96, no. 10, pp. 1088-1094, 1986. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  29. S. S. Becker, R. K. Jackler e L. H. Pitts, “vazamento de Líquido cefalorraquidiano Apos uma Cirurgia neuroma acústico: Uma Comparação fazer translabiríntico, meios fossa, e como Abordagens retrosigmóide” Otologia e Otoneurologia. vol. 24, No. 1, pp. 107-112, 2003. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  30. S. H. Selesnick, J. C. Liu, A. Jen, e J. Newman, “A Incidência de vazamento de fluido cerebrospinal Apos um vestibular Cirurgia schwannoma” Otologia e Otoneurologia. vol. 25, n. 3, pp. 387-393, 2004. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  31. J. W. Brennan, D. W. Remou, J. M. Nedzelski, e J. M. Chen, “vazamento de Líquido cefalorraquidiano Apos uma Cirurgia neuroma acústico: Influência do * Tamanho do tumor e Abordagem Cirúrgica na Incidência e Resposta ao Tratamento” Journal of Neurosurgery. vol. 94, n. 2, pp. 217-223, 2001. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  32. W. O. Ldemann, L. H. Stieglitz, V. Gerganov, A. Samii, e M. Samii, “implante de Gordura E superiores implante Ao los muscular Cirurgia schwannoma vestibular parágrafo a Prevenção de fístulas de fluido cerebrospinal,” Neurocirurgia. vol. 63, no. 1, pp. ONS38-ONS42, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  33. P. Merkus, A. Taibah, G. Sequino e M. Sanna, “Menos de 1 vazamento de fluido cerebrospinal em 1.803 translabiríntico Casos de Cirurgia schwannoma vestibular,” Otologia e Otoneurologia. vol. 31, no. 2, pp. 276-283, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  34. M. Chovanec, E. Zvina, O. Profant et al. “Impacto da videoendoscopia Sobre os Resultados da microcirurgia retrosigmóide-transmeatal de schwannoma vestibular: Estudo prospectivo,” European Archives of Oto-Rhino-Laringologia. vol. 270, n. 4, pp. 1277-1284, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  35. B. D. Mangus, A. Rivas, M. J. Yoo et al. “Gestão de vazamentos de Líquido cefalorraquidiano Apos uma Cirurgia schwannoma vestibular,” Otologia e Otoneurologia. vol. 32, no. 9, pp. 1525-1529, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  36. G. B. Sanchez, D. M. Kaylie, M. R. OMalley, R. F. Labadie, C. G. Jackson, e D. S. Haynes, “Chemical Meningite na Sequência de Cirurgia de tumor fazer Angulo Ponto cerebelar,” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 138, n. 3, pp. 368-373, 2008. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  37. K. P. Allen, B. Isaacson, J. W. Kutz, P. L. Purcell, e P. S. Roland, “A Associação de meningite com fístula liquórica pós-operatória”, Jornal de Cirurgia Neurológica Parte B-Base do Crânio. vol. 73, no. 6, pp. 401-404, 2012. Ver em Google Scholar
  38. I. S. Kourbeti, A. V. Jacobs, M. Koslow, D. Karabetsos, e R. S. Holzman, “Fatores de risco Associados com uma meningite postcraniotomy” Neurocirurgia. vol. 60, n. 2, pp. 317-325, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  39. J. M. Ryzenman, M. L. Pensak, e J. M. Tew Jr. “Dor de Cabeça: a Qualidade da Análise de vida em Uma coorte de 1.657 patients submetidos à Cirurgia de neuroma acústico, Resulta fazer Acústico Neuroma Association,” Laringoscópio. vol. 115, n. 4, pp. 703-711, 2005. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  40. D. A. Wiegand e V. Fickel, “neuroma acústico-a Perspectiva de patients: Avaliação subjetiva dos síntomas, diagnóstico, Tratamento e Evolução de 541 patients” Laringoscópio. vol. 99, no. 2, pp. 179-187, 1989. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  41. A. Parving, M. Tos, J. Thomsen, H. Moller, e C. Buchwald, “Alguns Aspectos da Qualidade de vida apos a Cirurgia PARA O neuroma acústico,” Archives of Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 118, n. 10, pp. 1061-1064, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  42. C. A. Pedrosa, D. K. Ahern, M. J. McKenna, R. G. Ojemann, e M. A. Acquadro, “Determinantes e Impacto da cefaléia Apos uma Cirurgia neuroma acústico,” American Journal of Otologia. vol. 15, n. 6, pp. 793-797, 1994. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  43. M. J. Ebersold, S. G. Harner, C. W. Beatty, C. M. Harper Jr. um e L. M. Quast, “Os Resultados Atuais da Abordagem retrosigmóide de neurinoma acústico,” Journal of Neurosurgery. vol. 76, no. 6, pp. 901-909, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  44. N. L. Cohen, W. S. Lewis e J. Ransohoff, “Preservação da Audição na Cirurgia de tumor fazer Angulo Ponto cerebelar: a Experiência NYU 19741991” American Journal of Otologia. vol. 14, n. 5, pp. 423-433, 1993. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  45. S. G. Harner, C. W. Beatty, E M. J. Ebersold, “Dor de Cabeça APOS excisão neuroma acústico,” American Journal of Otologia. vol. 14, n. 6, pp. 552-555, 1993. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  46. M. J. Ruckenstein, J. P. Harris, R. A. Cueva, G. Prioleau, e J. Alksne, “A dor apos a ressecção de neuromas acústicos via suboccipital e translabirínticas Abordagens” American Journal of Otologia. vol. 17, n. 4, pp. 620-624, 1996. Ver em Google Scholar
  47. B. Schaller e A. Baumann, “Dor de Cabeça Apos uma remoção de schwannoma vestibular atraves da Abordagem retrosigmóide: a Longo Prazo follow-up-study” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 128, n. 3, pp. 387-395, 2003. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  48. P. J. Catalano, O. Jacobowitz, E K. D. Post, “Prevenção da Dor de Cabeça Apos uma remoção retrosigmóide de Tumores acústicos” American Journal of Otologia. vol. 17, n. 6, pp. 904-908, 1996. Ver em Google Scholar
  49. B. Sade, G. Mohr, e J. Dufour, “Como Complicações vasculares da Cirurgia schwannoma vestibular: Uma Comparação dos retrosigmóide e translabirínticas Abordagens suboccipitais” Journal of Neurosurgery. vol. 105, n. 2, pp. 200-204, 2006. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  50. F. H. Ebner, F. Roser, T. Shiozawa et ai. “Oclusão Petrosal veia em tumor Cirurgia fazer angulo ponto-cerebelar: um Estudo anatómico das vias de drenagem Alternativos” European Journal of Surgical Oncology. vol. 35, no. 5, pp. 552-556, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  51. A. K. Lalwani, F. Y.-S. Butt, R. K. Jackler, L. H. Pitts, e C. D. Yingling, “resultado do APOS faciais Nervo um acústico Cirurgia neuroma: um Estudo a Partir da Época de monitoramento nervo craniano”, Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 111, n. 5, pp. 561-570, 1994. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  52. M. A. Arriaga um e D. A. Chen, “A Função facial em Ouvir Preservação Cirurgia neuroma acústico,” Archives of Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 127, n. 5, pp. 543-546, 2001. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  53. A. Jacob, LL Robinson Jr. JS Bortman, L. Yu, EE Dodson, e DB Welling, “nervo de Origem, * Tamanho do tumor, Preservação da Audição, e fazer Resultados faciais Nervo em 359 ressecções schwannoma vestibular em hum terciario Centro Acadêmico , ” Laringoscópio. vol. 117, n. 12, pp. 2087-2092, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  54. P. L. Grey, D. A. Moffat, C. R. Palmer, D. G. Hardy, e D. M. Baguley, “Fatores Que influenciam o resultado do nervo em Cirurgia schwannoma vestibular facial,” Otorrinolaringologia clínica. vol. 21, n. 5, pp. 409-413, 1996. Ver em Google Scholar
  55. B. Mamikoglu, R. J. Wiet E C. R. Esquivel, “translabiríntico parágrafo a Gestão de Grandes e Gigantes schwannomas vestibulares,” Otologia e Otoneurologia. vol. 23, n. 2, pp. 224-227, 2002. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  56. R. J. S. Briggs, W. M. Luxford, J. S. Atkins Jr. W. E. Hitselberger, L. N. Sekhar, e O. Al-Mefty, “a remoção translabiríntico de Grandes neuromas acústicos,” Neurocirurgia. vol. 34, no. 5, pp. 785-791, 1994. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  57. T. H. Lanman, D. E. Brackmann, W. E. Hitselberger PT B. Subin, “Relatório de 190 Casos consecutivos de Tumores acústicos Grandes (Schwannoma Vestibular) removidos atraves da Abordagem translabiríntico” Journal of Neurosurgery. vol. 90, no. 4, pp. 617-623, 1999. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  58. S. Sluyter, K. Graamans, C. A. F. Tulleken e C. W. M. Van Veelen, “Análise dos Resultados obtidos em 120 patients com Grandes neuromas acústicos Tratados cirurgicamente ATRAVES fazer translabiríntico-transtentorial,” Journal of Neurosurgery. vol. 94, n. 1, pp. 61-66, 2001. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  59. J.-M. Sterkers, G. A. J. Morrison, O. Sterkers e M. M. K. Badr El-Dine, “Preservação do facial, coclear, e Outras funcoes nervosas sem Tratamento de neuroma acústico,” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 110, n. 2, pp. 146-155, 1994. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  60. S. Jung, S. Kang, T. Kim et al. “Resultados Surgical Atuais de Abordagem retrosigmóide em schwannomas vestibulares extralarge” Neurologia Cirúrgica. vol. 53, no. 4, pp. 370-378, 2000. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  61. J. Linnet e F. F. Madsen, “anastomosar Hypoglosso-facial,” Acta Neurochirurgica. vol. 133, n. 3-4, pp. 112-115, 1995. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  62. J. L. Pellat, E. Bonnefille, M. Zanaret e M. cannoni “, anastomose hipoglosso-facial. Um Relatório de 60 Casos”, Annales de Cirurgia Plástica et Esthetique. vol. 42, n. 1, pp. 37-43, 1997. Ver em Google Scholar
  63. L. F. Pitty e C. H. Tator, “para anastomose hipoglosso-facial a Paralisia do nervo facial APOS Cirurgia de Tumores do angulo ponto-cerebelar,” Journal of Neurosurgery. vol. 77, n. 5, pp. 724-731, 1992. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  64. R. H. Rosenwasser, E. Liebman, D. F. Jimenez, W. A. ​​Buchheit, e D. W. Andrews, “Reanimação APOS faciais uma lesão do nervo facial,” Neurocirurgia. vol. 29, no. 4, pp. 568-574, 1991. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  65. M. Samii e C. Matthies, “Indicação, Técnica e Os Resultados da Reconstrução do nervo facial,” Acta Neurochirurgica. vol. 130, n. 14, pp. 125-139, 1994. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  66. Y. Sawamura e H. Abe, “nervo anastomose hipoglosso-facial parágrafo lado-a-ponta a Preservação da Função hipoglosso: Resultados do Tratamento tardio com Uma nova técnica”, Journal of Neurosurgery. vol. 86, no. 2, pp. 203-206, 1997. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  67. M. Maio, S. M. Sobol, e S. J. Mester, “nervo de interposição-jump parágrafo enxerto hipoglosso-facial reanimação facial sem atrofia da língua,” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 104, n. 6, pp. 818-825, 1991. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  68. R. J. Wiet, W. Raslan, R. P. Kazan, e G. D. Herzon, “Complicações NA Abordagem de Cirurgia de acústico tumor” Anais de Otologia, Rinologia e Laringologia. vol. 95, no. 1, pp. 28-31, 1986. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  69. S. G. Harner, C. W. Beatty, e M. J. Ebersold, “a remoção retrosigmóide de neuroma acústico: Experiência 19781988” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. vol. 103, n. 1, pp. 40-45, 1990. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  70. C. N. Breivik, R. M. Nilsen, E. Myrseth, M. K. Finnkirk e M. Lund-Johansen, “deficiência Trabalhando em patients noruegueses com schwannoma vestibular: vertigem Preve Dependência futuro” Mundial de Neurocirurgia. vol. 80, n. 6, pp. E301-E305, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  71. N. Uehara, H. Tanimoto, T. Nishikawa et al. “A Disfunção vestibular e Compensação Apos uma remoção do neuroma acústico,” Journal of Vestibular Research: Equilíbrio e Orientação. vol. 21, n. 5, pp. 289-295, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  72. O. Cakrt, M. Chovanec, T. Funda et al. “Exercício de feedback com melhora visuais um postural Estabilidade Apos um vestibular Cirurgia schwannoma” European Archives of Oto-Rhino-Laringologia. vol. 267, n. 9, pp. 1355-1360, 2010. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  73. A. L. Giannuzzi, P. Merkus, e M. Falcioni, “O Uso de gentamicina intratimpânica em Pacientes com schwannoma vestibular e vertigem incapacitante,” Otologia Otoneurologia: Publicação Oficial da americana Otological Society, American Society Otoneurologia Academia européia de Otologia e Otoneurologia. vol. 34, no. 6, pp. 1096-1098, 2013. Ver em Google Scholar
  74. J. N. Wagner, M. Glaser, B. Wowra et ai. “A Função vestibular e Qualidade de vida em schwannoma vestibular: o * Tamanho importa?” Fronteiras em Neurologia. vol. 2, p. 55, 2011. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  75. C. Parietti-Winkler, G. C. Gauchard, C. Simon, e P. P. Perrin, “sensório-motora rearranjo APOS posturais deaferentação vestibular unilateral em Pacientes com neuroma acústico,” Pesquisa Neuroscience. vol. 55, no. 2, pp. 171-181, 2006. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  76. S. T. Aw, M. J. Todd, N. Lehnen, et ai. “Estimulação galvânica vestibular APOS deafferentation vestibular e schwannoma vestibular,” Plos ONE. vol. 8, NAO. 12, Artigo e82078, 2013. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar
  77. M. Magnusson, B. Kahlon, M. Karlberg, S. Lindberg, e P. Siesj, “ablação vestibular pré-operatório com gentamicina e vestibular prehab melhorar a Recuperação pós-operatória APOS pontinas uma Cirurgia parágrafo OS Tumores-Primeiro Angulo Relatório” Acta Oto-Laryngologica. vol. 127, n. 12, pp. 1236-1240, 2007. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  78. M. Chovanec, E. Zverina, O. Cakrt et al. “Fatores influencig Compensação vestibular Seguinte microcirurgia schwannoma vestibular,” Otolaryngology-Head and Neck Surgery. 2014. Ver em Google Scholar
  79. S. G. Lynn, C. L. W. Driscoll, S. G. Harner, C. W. Beatty, e E. J. Atkinson, “Avaliação de fazer Desequilíbrio Apos uma remoção fazer acústico neuroma,” American Journal of Otologia. vol. 20, n. 4, pp. 484-494, 1999. Ver no Google Scholar · Ver não Scopus
  80. Y. Saman, D. Bamiou e M. Gleeson, “Uma Revisão contemporânea da Disfunção saldo Apos um vestibular Cirurgia schwannoma” Laringoscópio. vol. 119, n. 11, pp. 2085-2093, 2009. Ver não Publisher · Ver em Google Scholar · Ver não Scopus
  81. D. A. Wiegand, R. G. Ojemann e V. Fickel, “Tratamento Cirúrgico fazer acústico neuroma (schwannoma vestibular) nos Estados Unidos: Relatório do acústico neuroma registro” Laringoscópio. vol. 106, n. 1, pp. 58-66, 1996. Ver em Google Scholar

mensagens Relacionados

  • Complicações e Riscos da traqueostomia …

    Como com QUALQUÉR Cirurgia, existem Alguns Riscos Associados à traqueostomia. No entanto, Infecções sepulturas Raros São Paulo. Complicações precoces that PODEM surgir Durante o Procedimento de traqueostomia OU logotipo …

  • Complicações nd Gestão …

    Eilis Catherine Dunning, faça Departamento de Medicina de Emergência, O Adelaide e Meath Hospital, Dublin incorporando o Hospital Nacional Infantil, Dublin 24, Irlanda Joseph Simon Butler, Seamus …

  • Complicações em Cirurgia colorretal …

    Abstract Backround Abrir UO Cirurgia colorectal laparoscópica comprises de MUITOS Tipos Diferentes de Procedimentos parágrafo Varias Doenças. Dependendo da Operação e modificáveis ​​e modificáveis ​​NÃO …

  • Como Complicações da Cirurgia de varizes, a Cirurgia da veia do laser.

    Resumo Um Estudo retrospectivo foi Realizado de patients that haviam SIDO submetidos para- Cirurgia varizes Durante hum Período de 8 anos, Entre 1985 e 1993, o Nós Fato Para determinar a Incidência de …

  • Complicações DA estereotáxica …

    Mais recentemente, Ambos OS Sistemas estereotaxia baseada em quadros e sem moldura provaram Úteis Durante OS Procedimentos de craniotomia convencionais. Estas Técnicas utilizam Marcadores fiduciais cutâneas externas para …

  • Como Complicações da hérnia inguinal …

    Tratar espera hérnia inguinal observador PODE Ser sugerido se o Paciente NÃO ESTÁ experimentando síntomas OU SE SUA hérnia E Pequena. QUANDO A E grande hérnia UO ESTÁ a causar síntomas, um e Cirurgia …